O consumidor está cada vez mais exigente e bem informado.

Essa nova forma de consumir demanda novas estratégias de vendas.

Você pode melhorar, pode mudar ou pode transformar suas vendas. É uma questão de escolha.

Mudar, dá conotação de mudar de cidade, de região, de estado e com isso, renovar a esperança de que irá vender mais.

Melhorar, dá a possibilidade de você retornar ao estágio anterior sempre que enfrentar alguma dificuldade.

Já transformar, é não retornar ao estágio anterior. É mudar de nível, sabe. É um processo sem volta.

Quando um casulo se transforma em borboleta, ele não volta mais a ser casulo.

Quando uma criança nasce, ela não volta mais para a barriga da sua mãe. Passou por uma transformação. Embora que as vezes dá vontade de colocar ela de volta…(risos)

Se especializar em neurovendas é passar por uma transformação.

No momento que você mergulha nesse universo, você percebe o mar de oportunidades que existem para vender mais e realizar sonhos.

Quero compartilhar algumas dicas de como você pode usar de forma simples a neurovendas para vender mais.

Pegue papel e caneta e vamos a elas:

Seja visual  

A parte do cérebro que toma decisão de compra, o Cérebro reptiliano é extremamente visual. Ele está diretamente conectado ao nosso nervo óptico e é 25 vezes mais rápido do que os nervos auditivos.

Estimule seus clientes com imagens dos seus produtos. Isso fará grande diferença no processo de tomada de decisão.

Use o Neurônio espelho

A neurociência descobriu que nós, seres humanos, possuímos um tipo de neurônio que espelha o que outro ser humano está fazendo.

É esse neurônio que faz você bocejar quando vê uma pessoa bocejando. É esse neurônio que faz você rir quando vê alguém com ataque de risos.

O espelhamento de gestos e expressões, portanto, se for feito de forma sutil e natural, gera conexão e sinergia. Importante para criar confiança em uma negociação.

As pessoas geralmente compram de quem confiam.

Ative as emoções

Imagine o seguinte senário:

Você está em um restaurante, que escolheu com todo carinho, para aquele jantar especial com a pessoa que ama.

O sommelier, profissional especializado em vinhos, se aproxima com a carta para mostrar as opções do dia. 

Você olha e escolhe um tinto seco obtido através da mescla dos varietais: Ancellotta, Merlot e Tannat da safra de 2005.

Quando o sommelier volta com a garrafa você fica impressionado.

A garrafa é linda, o rótulo é uma verdadeira obra de arte.

Ele mostra a garrafa e fala: posso abrir? Você apenas acena positivamente com a cabeça.

O sommelier inicia então o ritual para sacar a rolha. De repente, você escuta o barulho …o aroma delicioso do vinho de cor vermelho rubi escuro toma conta do ambiente.

O olfato sugere aromas de frutas vermelhas, especiarias e grãos tostados

Ele serve em uma taça especial e oferece para você degustar.

Nesse momento, mesmo que você não entenda nada de vinho, você pega a taça e faz o que todo mundo faz: mexe em movimentos circulares e aproxima a taça do nariz para sentir o aroma.

Depois coloca um pouco na boca e espalha entre os dentes. No paladar apresenta taninos maduros, macios, com teor de acidez discreto.

Fecha os olhos e sente as notas das montanhas. Consegue até criar na sua mente, a imagem das pessoas colhendo a uva com todo o carinho para fazer o vinho.

Depois disso, abre os olhos e fala: está aprovado. Pode servir!

O sommelier serve então as duas taças e volta para a copa.

Agora, falta apenas mais um detalhe para finalizar a experiência incrível: fazer um brinde com seu amor.

O barulhos das taças se tocando, é o gatilho que falta para disparar de vez as papilas gustativas.

Nesse momento, você já está salivando e louco para saborear essa preciosidade.

Conseguiu se imaginar no senário? Percebeu que nessa pequena história estimulamos vários sentidos emocionais?

A imaginação, o aroma, o sistema auditivo.

Crie uma conexão emocional com seu cliente. Ative as emoções e venda mais.

Venda para o réptil

As pesquisas mostram que o gatilho final de decisão vem do cérebro reptiliano. A parte do cérebro responsável pelos nossos instintos de sobrevivência, defesa e pertencimento.

Pouco adianta, portanto, você ficar buscando argumentações racionais para fazer seu cliente comprar de você.

A comunicação deve ser direcionada para a parte do cérebro que toma a decisão de compra, mesmo que seja por instinto.

Não falo aqui em manipular, longe disso!

 Falo em você entender que por traz de uma decisão, por mais complexa que seja, existe sempre fatores emocionais que as norteiam.

Cuidado com os primeiros e últimos minutos

De acordo com uma pesquisa de uma universidade inglesa, não importa em qual ordem as letras de uma palavra estão, o importante é que a primeira e a última letras estejam no lugar certo.

Quando for falar com um cliente procure impactar logo no início com uma frase que gere curiosidade. Os três primeiros minutos são fundamentais.

No final da conversa, reforce sua oferta e benefícios.

Esse também é um dos segredos para apresentações de sucesso.

Você tem poucos minutos para que as pessoas que estão te assistindo decidam se irão ou não prestar a atenção em você.

Com o tempo, as pessoas terão dificuldade de lembrar o que você falou no meio da sua apresentação, mas lembrarão do início e do final, desde que tenha sido impactante.

Lembre-se: independente do canal de vendas que você trabalha, se é presencial ou online, lá na ponta, no final do processo sempre terá uma pessoa que tomará a decisão de compra.

Eu tenho mais 14 dicas para você vender mais com a Neurovendas que não consegui passar por aqui. Eu gravei um curso 100% online com essas dicas. Se tiver interesse em conhecer, você pode acessar www.introducaoaneurovendas.com.br

Um forte abraço, ótimas vendas e até o TOPO, porque é lá que vamos nos encontrar.


0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − seis =

× Como posso te ajudar?